Sesc
Argu
menta

Seja o protagonista desta história

Selecionados

Argumentos Selecionados

Amém por Mariana Tesch - São Paulo/SP

Resumo do trabalho: Uma menina católica fervorosa de 8 anos faz uma promessa de usar um bigode adesivo todos os dias para entrar em acordo com Jesus e salvar o casamento dos pais.

Currículo: Mestre em Roteiro pela Northwestern University (Capes/Fulbright). Seu roteiro Amém foi o vencedor do Guiões-2016, 2º lugar no FRAPA-2015, participou do CuritibaLab-2017 e LabVarilux-2019. Seus trabalhos mais recentes são como roteirista da série Coisa Mais Linda T2 (NETFLIX) e dos longas Ligações Nebulosas (AntiFilmes) e Amém (Lusco Fusco). Produtora associada ao FRAPA.

Ana, Lídia e João por Ana Regis - Belo Horizonte/MG

Resumo do trabalho: Ana e Lídia são um casal há 16 anos. Um dia Ana traz João, um amigo íntimo quase namorado, para morar com elas temporariamente. Lídia aceita, mas a rotina dos três não é tranquila. Por mais que João tente não incomodar, a liberdade que Ana lhe dá incomoda Lídia.

Currículo: Mineira, de Belo Horizonte, é atriz e dramaturga. No audiovisual alternou trabalhos como atriz, produtora e pesquisadora de elenco e ultimamente também preparação /direção de atores. Feminista, Mãe do Davi e da Maria.

Animais na pista! por Nino Ottoni - Rio de Janeiro/RJ

Resumo do trabalho: Laura é uma ratinha cinéfila que mora em uma cinemateca no Rio de Janeiro. Após ficar órfã, ela sai em busca do último filme do diretor favorito de seu pai, cuja única cópia está em São Paulo. Junto com dois amigos, viaja até lá, mas acaba atrapalhando um esquema de Marlon, gato chefe do crime. Os amigos têm que enfrentar a estrada e a perseguição das corujas capangas de Marlon. Após muitas aventuras, ela assiste ao filme, consegue derrotar Marlon e volta pra casa transformada pela viagem.

Currículo: Nino Ottoni é roteirista e editor de vídeo. Estudou Cinema na UFF e Produção Fonográfica na Universidade Estácio de Sá. Como roteirista, escreveu o videoclipe Forasteira, de Robson Farah, vencedor do prêmio de melhor videoclipe na 9ª Mostra Competitiva de Audiovisual da São Paulo Film Commission (2012) e 2º lugar no Festival Universitário de Audiovisual do Mato Grosso do Sul (2012). Também escreveu Programa da Larah, vencedor do concurso de roteiro de institucional sobre HPV promovido pela UFF (2010). Em 2019, escreveu dois episódios da série Cinema de Enredo, que irá ao ar em 2020 no canal Prime Box Brasil. Como editor, trabalhou em diversos projetos para canais como TV Globo, E! Entertainment Television, Multishow e Canal BIS. Também fez trabalhos para clientes como Stella Artois, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Foxton, Void e União Brasileira dos Compositores.

Cidade flutuante por Felipe Libório - Manaus/AM

Resumo do trabalho: Ezequiel é um rapaz evangélico de origem indígena que sai do interior para viver em Manaus, onde habita uma enorme favela de palafitas conhecida como Cidade Flutuante. Ali ele descobre os prazeres mundanos, mas passa a ser perseguido por uma aparição que o aterroriza e o faz mergulhar no vício e na loucura. Essa visão está relacionada a um segredo que envolve o seu avô e o dia do seu nascimento. Ao mesmo tempo, Ezequiel enfrenta o fim da Cidade Flutuante, que será demolida pela Prefeitura.

Currículo: Jornalista formado pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM), estudou roteiro e produção cinematográfica na Academia Internacional de Cinema. Tem experiências com audiovisual como produtor no núcleo de rede da afiliada Globo no Amazonas e como roteirista em produções publicitárias.

Coração reverso por Cris Reque - Porto Alegre/RS

Resumo do trabalho: Laura vive o conflito entre a paixão pelo rock contra as expectativas dos pais sobre sua carreira. Junto da amiga Clau, elas descobrem o Casarão, ocupação cultural onde podem ensaiar com a banda e criar de forma coletiva com a máxima punk: “do it yourself”. Enquanto Laura quer fazer a escolha certa no vestibular, ela experimenta a meditação progressiva, técnica que permite viajar ao futuro. Só então a jovem percebe que precisa evitar o pesadelo sem volta que sua vida pode se transformar.

Currículo: Cris Reque é formada em Publicidade e Propaganda pela UFRGS (1999) e Mestre em Comunicação pela PUCRS (2017). Inicia carreira no audiovisual em 1998 como assistente de montagem e de direção, logo passando a trabalhar com produção, roteiro e direção de curtas, documentários e séries para cinema e TV. Em 2006 torna-se sócia da Modus Produtora, mesmo ano que passa a orientar alunos do curso de Cinema TECCINE PUC-RS na montagem de filmes em película na moviola. Em 2019 começa a lecionar no Curso de Comunicação Social da UNIFIN - Faculdade São Francisco de Assis, em Porto Alegre. Roteirizou e dirigiu os curtas Mãe Monstro (2003) e Três Vezes por Semana (2011), tendo com estes títulos participado e recebido prêmios em festivais pelo Brasil e América Latina. Trabalhou na diretoria de programação da TVE/RS, onde coordenou a produção de programas da emissora e foi responsável pelas primeiras chamadas públicas da TVE com para produção de seis séries de TV financiadas pelo Fundo Setorial do Audiovisual da ANCINE e BRDE. Retornando à Modus em 2015, realizou as séries de TV Mistérios de Entrever (2017) e Culturando (2019) e atualmente prepara seu primeiro longa-metragem de ficção, Coração Reverso, em fase de desenvolvimento e captação de recursos complementares.

Entre sem bater por Victoria Mendonça - Rio de Janeiro/RJ

Resumo do trabalho: Uma adolescente tem suas primeiras experiências com sexo, rock e amor enquanto tenta se entender como mulher em meio ao processo de transformação ideológico do país, e de sua família. Quando a votação para o impeachment de Dilma Rousseff acontece, e as contradições políticas invadem as casas e as ruas; Laura é confrontada em tudo o que acredita. Não entende o presente que está vivendo, e não sabe o que vai ser do futuro, mas algo finalmente está vivo nas ruas.

Currículo: Victoria Mendonça é uma diretora e roteirista brasileira nascida em 1988 no Rio de Janeiro, Brasil. Estudou Filosofia na UFRJ e Cinema na PUC-Rio, completando um mestrado em Direção e Roteiro na Eicar, em Paris, e trabalhando em Londres como pesquisadora para a RSA Films. Atualmente trabalha como roteirista de longas-metragens e séries com produtores e diretores brasileiros. Seu curta-metragem, "She Walks", estreado na Seleção Oficial do Festival Internacional de Cinema de Roterdã, foi exibido em vários festivais em Nova York, França, Roma, Portugal, Canadá e São Francisco. Seu último curta-metragem, "Selvagem", foi selecionado para fazer parte do European Short Pitch e apoiado pela Região Ile-de-France na França, recebendo uma bolsa de pós-produção em 2017. Atualmente, Victoria desenvolve os seus futuros projetos, o documentário Filhas de Santa, selecionado para o Doc Pro-Market em Dok Leipzig 2019 e o seu projeto de longa-metragem, Entre Sem Bater. O filme e a escrita de Victoria visam explorar e desconstruir narrativas femininas e suas contradições na cultura, memória e expressão.

Margarida por Eduardo Calegari - Curitiba/PR

Resumo do trabalho: Marjory, jovem travesti, iniciou seu tratamento hormonal há pouco tempo e se prostitui numa rua central da cidade. Um dia, revê Elviz, amigo de adolescência que começa a trabalhar no caminhão de lixo que passa por seu ponto de prostituição. Esse encontro reaviva sentimentos que os confundiam no passado, trazendo dúvidas sobre sua sexualidade e identidade de gênero. Marjory vai interromper o tratamento hormonal e Elviz terá que rever suas escolhas, para enfim viverem esse amor.

Currículo: Há mais de 10 anos, Eduardo Calegari decidiu que não queria apenas assistir filmes e sim produzi-los. Formou-se pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná e fez o Curso Técnico em Cinema Digital da Cinemateca de Curitiba. Passou pelas diversas áreas que envolvem o audiovisual adquirindo conhecimento e experiências que estruturam sua forma de assistir, pensar e fazer filmes. Além de projetos em parcerias, roteirizou e dirigiu os curtas Loooping e O Padre e o Bento. Em 2017 e 2018 coordenou o núcleo de roteiristas independentes onde foi gerado material para seis projetos que estão em desenvolvimento, entre eles Margarida. Participou por dois anos consecutivos do Núcleo de Desenvolvimento Audiovisual do SESI Paraná e aprovou projetos em Leis de Incentivo à Cultura da Fundação Cultural de Curitiba e da Secretaria de Cultura do Estado do Paraná, como Santo Anjo, Um Cinema para Dois, Meninos e Bicicletas, além do Projeto Esperanza Driks aprovado e desenvolvido através do PRODAV05/2015 – Desenvolvimento de Roteiro. Atualmente coordena o Arquipélago Núcleo de Roteiros.

O império da navalha por Toninho Muricy - Rio de Janeiro/RJ

Resumo do trabalho: Enfrentando o implacável promotor republicano Sampaio Ferraz e o perigoso capoeira Trinca-Espinhas, manejando navalhas, mandingas e intrigas a favor do Partido Conservador, afrontando senhores escravagistas, o capoeirista Domingos Angola adentra os salões elegantes da corte imperial, e se torna personagem central na luta pelo poder no Império do Brasil.

Currículo: Técnico de Som desde 1985, Toninho Muricy trabalhou em dezenas de longa-metragens nacionais e internacionais, como “The Expendables”, de Sylvester Stallone, “Maria do Caritó” de João Paulo Jabur, “O Outro Lado do Paraíso” de André Ristum, “Tô Ryca”, de Pedro Antônio, “Filhas do Vento” de Joel Zito Araújo, “Todos os Corações do Mundo” de Murilo Salles, “Lua de Cristal” de Tyzuka Yamasáki, “Vai Que Dá Certo!” e “Verônica” de Maurício Farias, “O Trapalhão e a Luz Azul” de Paulo Aragão, “São Gerônimo” de Júlio Bressane, “A Fábula da Bela Palomera” de Ruy Guerra, “A Cor De Seu Destino” de Jorge Durán, “Tigrero”, de Mika Kaurismakki, e em séries como “Questão de Família”, de Sérgio Resende, para o canal GNT, e “Conselho Tutelar”, de Rudi Lagemann, para a TV Record. Como diretor e roteirista realizou o documentário 16mm “Pastinha! Uma Vida Pela Capoeira”, de 1998, sobre Mestre Pastinha, premiado nos Editais “Prêmio Resgate do Cinema Nacional”, e “Capoeira Viva” do MinC e o documentário "Memórias do Cais do Valongo”, entre outros.

O mergulho de Abigail por Daniel do Valle - Niterói/RJ

Resumo do trabalho: A partir da morte do marido e do fim de um casamento de cinquenta anos, ABIGAIL, 68 anos, se aproxima de seus netos de vinte. Sem nunca ter trabalhado fora, ela arruma um emprego em um mercado que passa por uma transformação tecnológica e se relaciona com um homem mais novo. Não compreendendo mais a mãe, seu filho mais velho a evita cada vez mais e afasta os netos dela. Abigail reencontra seus netos e é salva no momento em que mais precisa, diante de um penhasco recorrente de seus sonhos.

Currículo: Formado em Economia na Universidade Federal Fluminense com especialização em roteiro pela Escola de Cinema Darcy Ribeiro e Academia Internacional de Cinema. Seu longa-metragem "O Mergulho de Abigail" foi selecionado para o laboratório de roteiros Franco-Brasileiro e Sesc Argumenta. Foi curador do concurso de curtas-metragens do festival ROTA. Produziu dois curtas-metragens para o festival RIO72HORAS. Teve seu projeto de websérie selecionado na categoria Superproject do RioWebfest. Hoje, se dedica à escrita de longas-metragens e séries.

Vai chover chuva de vento por Stefano Lopes - Curitiba/PR

Resumo do trabalho: Isabel é a austera matriarca de uma das últimas famílias produtoras sobreviventes - e resistentes - ao agronegócio no interior do estado. Enquanto a filha Lúcia está quase sempre ausente, indo e vindo da cidade à venda da produção familiar, e o adolescente Francisco já planeja seu futuro bem longe do trabalho braçal da roça, a mulher luta em silêncio para que nenhuma máquina passe por cima de suas raízes.

Currículo: Stefano Lopes é assistente de direção e roteirista. Valeparaibano de 22 anos, é bacharelando em Cinema e Audiovisual (UNESPAR) com formação em Roteiro pela Academia Internacional de Cinema e atualmente escreve curtas e longas-metragens. Em 2019, participou do Núcleo de Projetos Audiovisuais de Curitiba com o longa "Mar revolto, maresia". "Vai chover chuva de vento" é seu primeiro longa-metragem.

Argumentos Suplentes

1 - Sem vagas | Autor: Bialopse - Curitiba/PR

Resumo do trabalho: As vagas no céu estão acabando e a fracassada coach Lilian é morta antecipadamente pelo Arcanjo Gabriel para ajudar Jesus, o filho do chefe, a realocar estrategicamente as almas vindouras. Fracassam ao negociar com o Limbo, o Purgatório e o Inferno. Lilian é reenviada à Terra como punição por ser uma farsa. Lá, tem um insight sustentável: a reencarnação. Suicida-se e se infiltra do Inferno ao Céu, onde promove com Gabriel um rebranding da fé cristã.

2 - Vida Maria | Autor: Filipe Carvalho - Recife/PE

Resumo do trabalho: Maria é uma retirante que reúne tudo o que tem e deixa a sua terra natal em busca de uma vida melhor. No entanto, fazendo o caminho oposto ao dos seus pais, ela deixa para trás a seca solidão de São Paulo, em direção ao lugar onde o seu sonho de ser professora de história pode virar realidade: o Sertão Nordestino.

3 - A ponte | Autor: Aristeu Araújo - Curitiba/PR

Resumo do trabalho: Marilson é voluntário em um projeto de sua igreja evangélica para impedir suicídios em uma grande ponte. Um dia Guilherme pula da ponte e, por mais improvável que seja, sobrevive. Logo os fiéis o consideram como um abençoado, capaz de milagres e farão de tudo para que Guilherme (que é ateu) não tente se matar novamente e aceite sua missão. Outros milagres vão se suceder e Marilson perderá sua fé, a ponto de ele mesmo tentar o suicídio.

4 - Primavera de lótus | Autor: Daniel Fraiha - Rio de Janeiro/RJ

Resumo do trabalho: Um garoto apaixonado por dança, morador de favela, perde a irmã por uma bala perdida durante um show e a fatalidade acaba por afastá-lo do Passinho por um longo período. Seu sonho passa a ser fugir daquela realidade, mas, quando a tragédia completa 10 anos, uma homenagem à irmã desperta novamente sua paixão pela dança, e o jovem mergulha numa jornada de reencontro com suas raízes e sua identidade através do mundo do Passinho.

5 - Vou beijar-te agora | Autor: Émerson Maranhão - Fortaleza/CE

Resumo do trabalho: Durante a passagem de um bloco de Pré-Carnaval, Carlos, 70, vê, entre os foliões, um grande amor do passado. O busca por dias. Até reencontrar Alonso, 71, que não via há 50 anos, desde que ele lhe roubou um beijo depois de baile de Carnaval. No reencontro, a paixão reacende, mas agora é Alonso que teme ceder às investidas de Carlos. Alonso finalmente cede a seu desejo e dorme com Carlos. Em nova saída, o bloco se aproxima da casa de Carlos, Alonso sai do banheiro, Carlos está morto na cama.

Consultores

André Novais Oliveira

Currículo: Nascido em Belo Horizonte. É diretor, roteirista e produtor. Temporada, último longa-metragem que dirigiu, teve estreia na mostra Cineastas do Presente do 71º Festival de Locarno e ganhou o prêmio de Melhor Filme no 51º Festival de Cinema de Brasília. Dirigiu também o longa Ela volta na quinta e os curtas Fantasmas, Pouco mais de um mês e Quintal (os dois últimos selecionados para Quinzena dos Realizadores em Cannes). Como roteirista trabalha na adaptação do livro O Sol na Cabeça, escrito pelo carioca Geovani Martins e que será dirigido por Karim Ainouz. Realiza consultorias de roteiros, foi tutor do Projeto Paradiso do Instituto Olga Rabinovich e jurado no 7º Laboratório de Roteiros do Porto Iracema das Artes. Junto com Gabriel Martins, Maurílio Martins e Thiago Macêdo Correia, é sócio da produtora mineira Filmes de Plástico. O longa Temporada está disponível na NETFLIX.

Camilo Cavalcante

Currículo: Graduou-se em Jornalismo pela Universidade Federal de Pernambuco, estudou Roteiro Cinematográfico na Escuela Internacional de Cine y TV de San Antonio de Los Baños, Cuba e, atualmente, finaliza o Mestrado em Cinema pela Universidade da Beira Interior, Portugal. É diretor, roteirista e produtor. Realizou 14 curtas-metragens, entre os quais HAMBRE HOMBRE; OS DOIS VELHINHOS; OCASO; LEVIATÃ; O VELHO, O MAR E O LAGO; RAPSÓDIA PARA UM HOMEM COMUM; AVE MARIA OU MÃE DOS SERTANEJOS; MY WAY. Ao todo, estas produções receberam mais de 130 prêmios em mostras e festivais de audiovisual. Criou, produziu e dirigiu a série de Tv OLHAR. Também dirigiu e roteirizou as séries documentais ÍNDIOS NO BRASIL, ANJOS HUMANOS e LUZ DO SERTÃO – 100 ANOS DE LUIZ GONZAGA. Em 2014, lançou o seu primeiro longa-metragem no International Film Festival Rotterdam, A HISTÓRIA DA ETERNIDADE, que recebeu 28 prêmios em festivais nacionais e internacionais de cinema. No momento, está lançando o documentário BECO e finalizando seu segundo longa de ficção, KING KONG EN ASUNCIÓN.

Eduardo Nunes

Currículo: Nasceu em 1969 na cidade de Niterói. Estudou Cinema da UFF. Em 1994 dirigiu seu primeiro curta: SOPRO; seguiram-se outros quatro filmes. Entre 1999 e 2014, dirigiu diversos documentários para a TV. Foi professor de cinema em diversas instituições, e ministrou, durante 10 anos, a oficina de roteiros na Universitat Salzburg (Austria). Em 2012, realiza SUDOESTE, seu primeiro longa-metragem, exibido em 27 países e vencedor de 23 prêmios internacionais (incluindo dois Fipresci e o prêmio Andrei Tarkovski). Em 2018, finalizou seu segundo longa, adaptado da obra de Hilda Hilst: UNICÓRNIO, que estreou no Festival de Belim (Berlinale).

Juliana Rojas

Currículo: Diretora, roteirista e consultora de roteiro. Escreveu e dirigiu diversos curtas e três longas-metragens. Dentre seus trabalhos solo, se destacam os premiados curtas "O Duplo" (Menção Especial - Semana da Crítica, Cannes 2012), "Pra eu dormir tranquilo" (Melhor Curta – Grande Prêmio do Cinema Brasileiro), "A Passagem do Cometa" (Seleção Oficial - Festival de Rotterdam 2018) e o longa "Sinfonia da Necrópole" (Prêmio FIPRESCI, Mar del Plata IFF e Prêmio da Crítica – Gramado 2014). Em parceria com Marco Dutra, realizou os curtas "O Lençol Branco" (Cinéfondation, Cannes 2005) e "Um Ramo" (Prêmio Descoberta Kodak - Semana da Crítica, Cannes 2007) e os longas "Trabalhar Cansa" (Un Certain Regard, Cannes 2011) e "As Boas Maneiras" (Prêmio Especial do Júri - Locarno 2017 e Melhor Filme - Festival do Rio 2017). Integrou a equipe de roteiristas das séries "Supermax" (Rede Globo),"3%" (2a. Temporada, Netflix) e "Boca a Boca"(Netflix - em produção). Dirigiu episódios das séries "Lendas Urbanas"(Record) e Boca a Boca (Netflix - em produção). Trabalha também como montadora e consultora de roteiros.

Lucia Murat

Currículo: Seu primeiro longa-metragem, o semi-documentário Que bom te ver viva (1988), estreou internacionalmente no Festival de Toronto e revelou uma cineasta dedicada a temas políticos e femininos. Nele depoimentos de mulheres torturadas durante a ditadura militar se intercalam com cenas ficcionais protagonizadas por Irene Ravache. Entre muitos prêmios, o longa foi escolhido melhor filme do júri oficial, do júri popular e da crítica no Festival de Brasília de 1989. A preocupação política volta em Doces poderes (1996), desta vez sob o ponto de vista do marketing das campanhas eleitorais. O filme estreou em 1997 no Festival de Sundance e, no mesmo ano, também foi Exibido no Festival de Berlim. Em 2000 lançou Brava gente brasileira, sobre a relação entre colonizadores e índios no interior do Brasil. Em 2003 filmou Quase dois irmãos - um drama político sobre o conflito entre a classe média e a favela em três diferentes épocas e situações - que lhe rendeu inúmeros prêmios, entre eles os de melhor direção e melhor filme latino americano pela Fipresci no Festival do Rio 2004, melhor filme no Primeiro Amazonas Film Festival e melhor filme no Festival de Mar Del Plata 2005. No Festival do Rio de 2005 estreou o documentário O olhar estrangeiro e, na edição de 2007, Maré, nossa história de amor, uma co-produção Brasil-França. Em 2008, Maré foi selecionado para a mostra Panorama do Festival de Berlim. Em 2010 filmou o documentário/ensaio “Uma longa viagem”, o grande vencedor do festival de Gramado do ano seguinte. Em 2012 finalizou o filme de ficção “A memória que me contam”, uma co-produção Brasil-Argentina-Chile, que ganhou o prêmio de melhor filme da Fipresci. Em 2014, lançou no “É tudo verdade” o documentário “A nação que não esperou por Deus” e no Festival do Rio a co-produção com a França “Em três atos”, sobre o envelhecimento, que estreou no Festival do Rio. Em 2017 apresentou no mesmo Festival o filme Praça Paris, que ganhou os prêmios de melhor direção e de melhor atriz e que também ganhou dois prêmios no Festival de Havana, além de ter sido apresentado no Festival Internacional de Chicago. Em 2018 continuou sua carreira com mais prêmios internacionais como o da Fipresci (federação da crítica) e melhor filme ibero-americano no Festival Internacional do Uruguai.

Comissão de Seleção

  • Alessandra Castañeda
  • Rita Piffer
  • David Massena
  • Diana Iliescu
  • Thamires Gomes
  • Davi Kolb
  • Elaine Mayworm
  • João Ademir
  • Aline Castella
  • Fidelys Fraga
  • Pedro Tavares
  • Bernardo Florim
  • Marcelo Müller
  • Roberta Sauerbronn
Inscreva-se

Inscrições encerradas

O projeto que vai selecionar e qualificar argumentos de longa metragens de ficção de novos profissionais. Inscrições prorrogadas até 20 de outubro!

Inscrições encerradas