Sesc
Argu
menta

Seja o protagonista desta história

Selecionados

Argumentos Selecionados

Atos de Violência por Henrique dos Santos (PR)

Resumo do trabalho: 1923. Um padre negro chega numa vila de colonos poloneses e é imediatamente rejeitado por não pertencer à mesma etnia. Enquanto espera uma carta ser enviada pedindo sua substituição, ele descobre a existência de Inácio, jovem que se diz possuído pelo espírito de sua irmã Cecília, morta alguns anos antes. Para os colonos, Cecília é uma líder espiritual capaz de fazer milagres com suas orações. Para o padre, ela é a oportunidade de ascensão em meio a um ambiente hostil.

Currículo: Formou-se em cinema pela FAP (2016) e atua como roteirista desde então. Participou de diversos concursos e laboratórios com destaque para duas finais consecutivas no FRAPA – Festival de Roteiro Audiovisual de Porto Alegre, e o prêmio de Melhor Roteiro para Curta-metragem do ROTA (2017) por O Casamento de Cristina. Corroteirizou a minissérie Nóis por Nóis ao lado de Jandir Santin e Aly Muritiba. Em parceria com Muritiba, escreveu também seu primeiro longa, Deserto Particular, selecionado para a plataforma de negócios do 75° Festival de Cinema de Veneza e contemplado em edital do FSA. Foi consultor na área de dramaturgia e roteiro para o MetrôLab e o GrafoLab em Curitiba.

Barbara na cidade por Jessica Candal (PR)

Resumo do trabalho: Bárbara estava fazendo uma viagem mochileira de volta ao mundo, mas uma gravidez indesejada a fez voltar para casa. Ela precisa recriar uma nova vida no seu antigo país, que está passando por mais um golpe de estado.

Currículo: Bacharel em Audiovisual (ECA-USP) e especialista em Poéticas Visuais (EMBAP). Dirigiu os curtas-metragens Ainda Ontem, Bárbara na Cidade, Teia e O Espelho de AnA. Roteirizou os longas Horizonte (vencedor do Concurso de Pitchings do Olhar de Cinema 2014); Eduardo e Mônica, em parceria com Michele Frantz; Tão Longe do Centro da Terra, em parceria com Aarón Fernández; e Barba Ensopada de Sangue e Ferrugem (prêmio de melhor roteiro no Festival de Gramado 2018), em parceria com Aly Muritiba. Atualmente desenvolve seu segundo roteiro autoral, Bárbara na Cidade e Outras Histórias, além da cinebiografia A Rua é Nóiz, em parceria com Aly Muritiba, Toni C. e Emicida.

Com açúcar, com afeto por Icaro Donadel (RJ)

Resumo do trabalho: O jovem Pedro se vê obrigado a refugiar-se na casa do Tio gay e cinquentão no subúrbio do Rio para terminar o TCC após ter o apartamento interditado e terminar com o namorado. De mundos diferentes, Pedro vai usar de seu conhecimento para evitar a falência da confeitaria do tio ao passo que a convivência com ele e as pessoas que o cercam, farão com que Pedro aprenda, até o dia de sua formatura, a valiosa lição de que não devemos reprimir ser quem realmente somos.

Currículo: Formado em Relações Internacionais pela PUC, mas foi nos cursos de roteiro que encontrou sua verdadeira paixão. Formado pela Academia Internacional de Cinema em Roteiro para TV, fez diversos cursos na área e atualmente é aluno da Oficina de Roteiro do SESC. Está envolvido na criação do seu primeiro roteiro de longa metragem.

Dara e o Hotel Mágico por Fernanda Rocha (SP)

Resumo do trabalho: Ao se deparar com um hotel fantástico na cobertura do edifício em que mora, Dara descobre que seu cabelo crespo possui poderes mágicos no momento em que este é roubado pela ambiciosa gerente do local. A pequena guerreira precisará recuperar seus cachos e salvar o hotel de uma criatura assustadora.

Currículo: Fernanda Rocha é roteirista, dramaturga e pesquisadora de cinema e audiovisual. Mestre em cinema pela ECA (USP), bacharela em Imagem e Som pela UFSCar. Seu curta-metragem Mancha de Sangue no Porcelanato (Roteiro e direção, 2014) foi exibido em festivais e veiculado em TV aberta. Roteirizou vídeos educacionais para cursos e canais formativos. Algumas de suas dramaturgias teatrais foram encenadas dentro do projeto Arcos dramatúrgicos e no projeto Rádio Convescote. Foi editora do periódico RUA - Revista Universitária do Audiovisual (2011-2014), deu aulas em oficinas de cinema na prefeitura de São Paulo (2018) e foi Arte educadora na itinerância da XXX Bienal de Artes de São Paulo (2013).

Os céus de Tete por Rita Piffer (RJ)

Resumo do trabalho: Meses após a morte da irmã, Tete, 8, muda com a família para uma vila ribeirinha e acredita que, se for até uma montanha alta, vai falar com Deus e curar a mãe da depressão e assim fazer os pais ficarem bem de novo. Para chegar lá, ela passa pela vila fervida em protestos por conta da hidrelétrica que está sendo construída e onde o pai de Tete trabalha. O fantasma da irmã a acompanha nessa reveladora jornada, que faz com que Tete aprenda a lidar melhor com o luto e volte a reunir sua família.

Currículo: Rita Piffer se formou em Jornalismo na UFSC e obteve o seu Master of Fine Arts em Cinema na San Francisco State University (EUA). Rita trabalha com desenvolvimento de projetos audiovisuais e roteiro. Os seus curtas-metragens foram exibidos internacionalmente em festivais de cinema independente. O último, Ausência de Memória, recebeu o Eileen Maitland Award, no 55th Ann Arbor Film Festival, prêmio para filmes que dão “voz para as mulheres”. É curadora do Festival de Cinema DOBRA. Também atua como educadora e atualmente leciona roteiro na Academia Internacional de Cinema (RJ).

Placar Final por Monica Solon (RJ)

Resumo do trabalho: Na Inglaterra, o brasileiro Duda Mendes e o inglês Sean Lawrence, jogadores listados entre os mais caros do mundo, estão apaixonados. Porém, a união deles seria o fim de suas carreiras. Enquanto Sean enfrenta um divórcio complicado e o afastamento do filho, ele considera assumir sua homossexualidade. Isso é impensável para Duda, que acredita que negar é a única opção no mundo homofóbico do futebol. Quando uma jornalista de tabloide expõe Sean, ambos os jogadores se deparam com um grande dilema.

Currículo: Monica Solon é roteirista e escritora. Leciona Roteiro Adaptado na Escola de Cinema Darcy Ribeiro e em cursos livres. Fez mestrado em Creative & Critical Writing, com foco em roteiro, na Universidade de Winchester, e se especializou em escrita, análise e desenvolvimento de roteiro na Inglaterra. Participou do curso TV Writing Intensive, da Universidade de Columbia (RJ, 2014). Foi finalista do 1º Programa de Desenvolvimento de Roteiristas da Globosat (2013), com a série Perigos Invisíveis. É co-roteirista no longa A Girl Made of Dust e desenvolveu e escreveu a série Seeing in the Darkness. Participou da sala de roteiristas da série Baile de Máscaras, da Produtora Giros.

Tempo do Poder por Flávia Neves (RJ)

Resumo do trabalho: No futuro, o aquecimento global e o agronegócio transformaram parte do Brasil em deserto. Remanescentes do povo Xavante se deslocam pelo Centro-Oeste a fim de retomar suas terras ancestrais. No caminho, o jovem Utebrewe vive uma descoberta espiritual. Quando chegam a terra, alguns se transformam em animais e a vida volta a existir. É quando brancos surgem reivindicando a posse das terras, obrigando os índios a reagir.

Currículo: Flávia Neves estudou Cinema e Literatura na UFF e Direção de atores e Roteiro na EICTV em Cuba. Trabalhou como diretora, roteirista e produtora para Cinema e TV. Em 2014, começou a desenvolver seu 1º longa-metragem, Fogaréu, produzido pela Bananeira Filmes que será filmado em 2019. Entre 2015 e 2017, roteirizou e dirigiu a série Amanajé, o mensageiro do futuro. Em 2016, cofundou a Caliandra Filmes e iniciou o desenvolvimento de Tempo do poder.

Travessia por Natália de Oliveira Sellani (SP)

Resumo do trabalho: Chove torrencialmente na cidade. Quase tudo está debaixo d’água e o momento é de isolamento e proteção. Silvana, em companhia de duas filhas, se vê obrigada a acolher sua mãe, que possui mágoa em relação a ela, e a sobrinha, que não via fazia anos. Em uma espiral de descobertas pessoais, de tensões e de afetos, o ressentimento eclode. Por fim, a casa pega fogo e a relação provisória se torna definitiva, mas a água ainda não terminou de escoar.

Currículo: Formada em Direito pela Universidade de São Paulo, cursou a Formação Livre em Roteiro na Academia Internacional de Cinema. Na segunda edição do ROTA - Festival de Roteiro Audiovisual, recebeu os prêmios de melhor roteiro e melhor personagem no Concurso de Roteiro de Curtas.

Tsuru por Tarsilla Alves (RJ)

Resumo do trabalho: Depois de deixar seus sonhos para trás, Sadako, jovem empresária japonesa é finalmente localizada pelo Catador de Sonhos, um ancião místico que vaga pelo mundo com a missão de recolher os sonhos que ficam pelo caminho, materializados em tsurus, origamis que simbolizam aves sagradas do Japão, símbolos da saúde, da boa sorte, felicidade, longevidade e da fortuna. A partir daí ela é confrontada com sua infância em Hiroshima e seus sonhos abandonados, não sendo mais capaz de fugir do seu destino.

Currículo: Diretora, produtora e fotógrafa. Cursou Direção Cinematográfica na Escola de Cinema Darcy Ribeiro. Em 2014 escreveu e dirigiu o curta Oleguns Olofê, produzido pela Pajé Cultural e selecionado por festivais como Visões Periféricas, MIMO, Festival Internacional de Curtas RJ. Em 2015 dirigiu o curta Garimpando Memórias. Produtora e educadora do Projeto CineSolar; Produtora Executiva do longa Delirius Insurgentes (Festival Internacional de Durban 2016); Diretora do documentário Escritas para o Site KDMulheres (2017). Em 2018 trabalhou como 1ª Assistente de direção no longa de ficção Lima Barreto ao Terceiro dia, de Luís Antônio Pilar; e foi Produtora da série documental Periscópio (2017/2018).

Tudo o que sou por Rafael Ribeiro (RJ)

Resumo do trabalho: Em meio à sua rotina como estudante do ensino médio em uma escola tradicionalista, Yago, um jovem de 17 anos, luta contra dificuldades de socialização devido ao fato de ser homossexual e afeminado. Sua perspectiva acerca da sua sexualidade muda após descobrir que seu professor é drag queen, que o faz perceber as construções sociais relativas a gênero. É quando conhece e se apaixona por André, uma drag conhecida pelo seu corpo masculinizado e rosto feminino.

Currículo: Bacharel em Cinema e Mestrando em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense, onde desenvolve pesquisa em Estudos de Gênero, Cultura Fandom, Música e Cultura Drag. Possui experiência como diretor, roteirista e produtor executivo, sendo diretor e roteirista dos curtas-metragens Emergir (2014), A Filha do Homem (2014) – vencedor do Voto Popular do Concurso Curta Criativo 2014 e Invasão Drag (2018), documentário, vencedor do prêmio dos prêmios de Melhor Documentário e Melhor Montagem no II Festival de Cinema Sertão & Diversidade, Menção Honrosa no Cine Tamoio - Festival de Cinema de São Gonçalo.

Argumentos Suplentes

1 - Escombros | Autor: Eneas Carlos Pereira (SP)

Resumo do trabalho: Casal negro envolve-se em uma confusão no caixa de um supermercado com um aposentado branco. O episódio descamba para agressão física e os três são encaminhados à delegacia. De um desentendimento aparentemente corriqueiro, o episódio ganha proporções inesperadas e a partir dos diferentes pontos de vista, do negro, da mulher e do velho descortinam-se incongruências e perplexidades da sociedade brasileira diante de suas rápidas transformações.

2 - Histeria | Autor: Laís Melo (PR)

Resumo do trabalho: Glória, mulher vivaz, nervosismo exausto, se separa e muda com as três filhas para um prédio ermo no centro de Curitiba. Em condições financeiras difíceis e ameaçada pelo ex-marido que pede a guarda das crianças, para assegurar sua família, se vê na situação de disputar uma vaga de supervisora com sua melhor amiga, em condição de vida parecida, na grande indústria de alimentos onde até agora trabalha no chão da fábrica. Ela fica com o emprego, mas o processo e o resultado mexem com ela e filhas.

3 - Pele crua | Autor: Flávia Abtibol (AM)

Resumo do trabalho: Um casal indígena viaja para a França, onde participa de uma convenção internacional com a missão de revelar para o mundo os problemas do seu povo que estão causando a morte de vários ‘parentes’. Ele, um promissor conferencista. Ela, uma artista. No caminho, uma professora de arte francesa e seu namorado provocam questionamentos sobre a nudez e o fato de assumir nosso eu imperfeito, seja o corpo ou a alma. Em “Pele Crua”, o índio se veste de novas culturas e o branco se despe da própria.

4 - Meu coração canta feliz | Autor: Diogo Leite (SP)

Resumo do trabalho: Luiza moradora da cidade de São Paulo quer encontrar o filho que não vê há três anos. O filho foi raptado pelo pai e está morando em Buenos Aires. Para isso, Luiza não mede esforços para fazer a viagem de São Paulo à Buenos Aires.

5 - O Misterioso Senhor da Primeira Sessão | Autor: Henrique Arruda (PE)

Resumo do trabalho: Diariamente um misterioso senhor é o primeiro a chegar no majestoso Cine Royal, o último cinema de rua do Recife, para assistir a primeira sessão do dia. A nova garçonete da cafeteria, enxerga na excêntrica figura uma oportunidade de aguçar sua criatividade como roteirista, decidindo investigar e escrever suas próprias versões do personagem, até descobrir que ele pode estar à beira da morte, e assim aprender que a vida real lhe ensina muito mais sobre solidão e afeto do que qualquer roteiro.

Curadores

Carlos Gregório

Currículo: Carlos Gregório é ator, diretor e roteirista. Contratado da TV Globo desde 1965, tem escrito seriados, programas e novelas. Em 2013 assinou, junto com Marcos Bernstein, a primeira novela de sua autoria, Além do Horizonte. Dirigiu curtas metragens e Amar..., em 1997, Loop, em 2003, O Silêncio, em 2005, e a série documental JK.doc, uma parceria TV Globo / GNT, além de outros trabalhos. Em 2005, lançou seu primeiro romance: Ruídos e Pequenos Movimentos. É também autor do roteiro e história originais do filme Se Eu Fosse Você, dirigido por Daniel Filho.

David França Mendes

Currículo: David França Mendes é roteirista-chefe na produtora Mixer, com a função de criar e desenvolver séries de TV e longas-metragens, e onde chefiou as equipes de dramaturgia das duas temporadas da série de TV A Garota da Moto (criação sua e de João Daniel Tikhomiroff) e faz supervisão de roteiro para a série Escola de Gênios (Gloob). Uma outra criação original sua, a série Um Belo Dia Resolvi Mudar, encontra-se em produção para estreia em 2019. Trabalhou com diversos canais e produtoras, como a Pródigo, a Hungryman, a LC Barreto, a Morena Filmes, a MTV, o Multishow e o GNT. Ganhou o Prêmio Especial de Cinema da Academia Brasileira de Letras e o Grande Prêmio Cinema Brasil de Melhor Roteiro Adaptado, em 2013. Foi também finalista do Sundance NHK Award e premiado em festivais como os de Gramado, Brasília e Rio, entre outros.

Kleber Mendonça Filho

Currículo: Kleber Mendonça Filho tem um trabalho abrangente como crítico e programador. Foi responsável pelo setor de cinema da Fundação Joaquim Nabuco durante 18 anos, e é diretor artístico do Janela Internacional de Cinema do Recife. Seus filmes receberam mais de 120 prêmios no Brasil e no exterior. Sua primeira experiência no longa metragem é o documentário Crítico (2008). O Som ao Redor (2012) foi seu primeiro longa-metragem de ficção, exibido em mais de 100 festivais internacionais. O filme foi o representante brasileiro no Oscar 2014 e considerado “Um dos 10 Melhores Filmes do ano” pelo jornal The New York Times. Aquarius (2016), seu segundo longa, teve uma carreira ainda mais prestigiosa, estreando na competição do Festival de Cannes e distribuído em mais de 100 países. Hoje Kleber é curador do departamento de cinema do Instituto Moreira Salles, e está montando seu próximo filme, Bacurau, co-dirigido por Juliano Dornelles.

Marina Meliande

Currículo: Marina Meliande é cineasta, produtora e montadora, formada em Cinema pela UFF e com mestrado em Cinema e Artes Contemporâneas pelo Le Fresnoy (França). Dirigiu quatro longas metragens com grande destaque em Festivais Internacionais: A Fuga da Mulher Gorila (Locarno 2009), A Alegria (Cannes 2010), Desassossego (Rotterdam 2011) e Mormaço, desenvolvido com o suporte da Cinefondation e Hubert Bals Fund, com estreia na Competição do Festival de Roterdã 2018. Como montadora, trabalhou em mais de 50 filmes, entre eles, Girimunho, Histórias que só existem quando lembradas (Veneza 2011) e Olmo e a Gaivota (Locarno 2015). É ainda produtora dos filmes A morte de J.P.Cuenca (CPH DOX), Não Devore Meu Coração (Sundance e Berlinale 2017) e Um Animal Amarelo (em finalização).

Melanie Dimantas

Currículo: Melanie Dimantas é roteirista. Escreveu para cinema os roteiros dos filmes Não Quero Falar Sobre Isso Agora (Melhor Roteiro no Festival de Gramado), dirigido por Mauro Farias, Carlota Joaquina, Princesa do Brazil, Copacabana e Irma Vap: o Retorno, dirigidos por Carla Camurati, O Outro Lado da Rua, de Marcos Bernstein, Nome Próprio, de Murilo Salles, Olhos Azuis, de José Joffily e Maresia, de Marcos Guttman. Para TV, escreveu episódios das séries Cidade dos Homens, Filhos do Carnaval, Magnífica70, O Mecanismo, além da novela Além do Horizonte. Foi consultora dos seguintes laboratórios: Laboratório de Roteiros do Minc (2002), 5º Laboratórios de Roteiros de Sundance Institute (2002) e Laboratório Sesc de Roteiros (2007, 2008, 2010 e 2011).

Comissão de Seleção

  • Bernardo Florim
  • Daniel van Hoogstraten
  • Davi Kolb
  • David Massena
  • Eduardo Frota
  • Felipe Lopes
  • Felipe Sholl
  • Fidelys Fraga
  • Ismael Caneppele
  • João Ademir
  • Marina Meliande
  • Melanie Dimantas
  • Roberta Sauerbronn
  • Thamires Gomes
  • Wagner de Assis
Inscreva-se

GARANTA A SUA PARTICIPAÇÃO

O projeto que vai selecionar e qualificar argumentos de longa metragens de ficção de novos profissionais.

Inscrições encerradas